segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Texto: Rompendo a distância.


Entrei no shopping sem prestar muita atenção aos rostos à minha volta ou a velocidade de meus passos. Eu praticamente corria pelos corredores e nem ao menos lançava o olhar para as vitrines. Olhei mais uma vez para o relógio em meu pulso e meu coração acelerou ainda mais. Não sabia se me odiava por ter demorado no banho ou se culpava o taxista pelo caminho mais longo que havia feito propositalmente. Além de me atrasar um pouco mais, ele havia me dado tempo para pensar. Mas, naquele dia, eu precisava agir por impulso.
Parei em frente ao local marcado. Era meu primeiro encontro e também era a primeira vez que o veria fora da tela do computador. Tentei enxergar meu reflexo no vidro da entrada e tudo o que consegui ver foi meu cabelo sem graça, que já havia perdido todos os cachos feitos com muito esforço alguns minutos antes. Dei uma checada rápida na maquiagem e, pelo menos ela, estava intacta. Ainda.
Assim que pus os pés dentro da cafeteria, olhei em volta e procurei por algo que me parecesse familiar. Não havíamos nos falado naquela manhã e eu me esqueci de perguntar com que roupa ele estaria. Talvez fosse mais fácil procurar pelo "cara de camisa tal cor", talvez fosse mais simples se eu soubesse o que esperar. As horas que passei observando sua imagem nas chamadas de vídeo e em suas fotos do Instagram não me davam a certeza de sua aparência.
Me sentei em uma cadeira nos fundos do local, de onde eu podia ver todos que chegavam pela porta de entrada ou saíam dos banheiros. Esperei por mais certo tempo, impaciente. Devem ter se passado alguns minutos, que para mim pareciam horas. Será que ele havia se cansado de me esperar? Mas eu não me atrasei tanto assim. Será então que não viria mais? Senti o desespero começar a se espalhar pelo meu corpo. Não era possível. Eu estava no local certo, na hora correta e no dia combinado.
Peguei o celular na bolsa e digitei uma mensagem de texto, tentando não parecer tão ansiosa. "Cadê você?". Enviei. Uma nova mensagem. Era dele. "Estou chegando! Me desculpe a demora, o trânsito dessa sua cidade é mesmo caótico". Respirei fundo e sorri, aliviada.
Passei os minutos que se seguiram me lembrando das frases que tinha ensaiado, imaginando mais algumas vezes aquele momento. E foi nesse instante, enquanto planejava, em vão, as palavras que gostaria de dizer mas sabia que não conseguiria, que o vi entrar pela porta com a mesma expressão que eu trazia no rosto há alguns minutos. Passou os olhos pelo ambiente até que seu olhar encontrou o meu. Fiquei ali, paralisada, sentindo todos os pensamentos desnecessários e equivocados fugirem da minha mente.
Ele sorriu para mim, com aquele mesmo sorriso que aparecia em poucas fotografias mas que eu adorava. E eu sorri também, involuntariamente, sentindo o coração bater mais forte a medida que ele se aproximava. Me levantei assim que ele chegou perto o suficiente para me cumprimentar. Eu não sabia muito bem como agir, nunca tinha passado por uma situação como essa. Talvez eu devesse ter saído com outros caras antes dele, só para me preparar e não parecer tão perdida quanto eu sabia que estava.
Ele não hesitou em se aproximar e eu sabia que não faria nada que pudesse me deixar sem jeito. Ele simplesmente me abraçou, como a gente abraça alguém que não vê a muito tempo. Nesse caso, o tempo era infinito, assim como a distância parecia ser. "Você existe mesmo..." sua voz rouca sussurrou próximo a meu ouvido, me fazendo estremecer. Senti as bochechas esquentarem, provavelmente estava ficando corada, e ri, completamente boba. Ele me apertou contra seu corpo delicadamente e eu tive a certeza de que havia encontrado meu lugar. Alí, nos braços do cara de camisa azul.

- Clarice Marques

10 comentários:

  1. Meu deu até um friozinho na barriga aqui!
    Adorei o texto!
    Não conhecia o blog, mas agora vou começar a acompanhar!
    Parabéns garotas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigaaada Paula! Quanto tempo né? Haha. Beijos

      Excluir
  2. Ai meu Jesus! Passei o texto todo sorrindo com uma bobinha! Chega da um friozinho na barriga ao ler esses textos fofuxos *o*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dá o mesmo friozinho na barriga ao escrever hahaha

      Excluir
  3. Lindo texto, Clarice! Estou visitando seu cantinho pela primeira vez... que encanto de lugar *-*
    Ah, amo seu nome rsrs. Quando tiver uma filha, esse será o nome dela hehe.

    Um beijo,
    outonize.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito Obrigada, Camila *-* Awn, eu também amo meu nome hahhaha brigadão mesmo... Bejos <3

      Excluir
  4. Que texto lindo!! Nunca tinha entrado no blog mas adorei, acho que ganhou uma leitora nova :) Beijos!

    www.unindotodascoisas.com

    ResponderExcluir